CUIABÁ

POLITÍCA NACIONAL

Luxemburgo fala pela 1ª vez após ser trocado pelo PSB: “Traidores”

Publicados

POLITÍCA NACIONAL

Vanderlei Luxemburgo desiste de concorrer ao Senado
Reprodução/Instagram

Vanderlei Luxemburgo desiste de concorrer ao Senado

Nesta sexta-feira (5), o técnico Vanderlei Luxemburgo se manifestou pela primeira vez após ter  sua candidatura ao Senado negada pelo PSB. O técnico de futebol foi substituído pelo ex-prefeito de Palmas, Carlos Amastha. Em um primeiro momento, ele cogitou entrar na Justiça, no entanto, voltou atrás e garantiu que não concorrerá a nenhum cargo neste ano.

“Num primeiro momento, ao ser apunhalado pelas costas, ameacei processar o partido. Vocês sabem como é ter um sonho roubado das mãos? Mas, a essa altura, não vou atropelar a candidatura de companheiros com quem firmei compromissos e que já têm trabalho desenvolvido. Eu desejo aos companheiros do PSB o melhor: que mantenham os ideiais de trabalhar pelo povo do Tocantins”, explicou em postagem feita em seu perfil do Instagram.

“Informo que não irei concorrer a qualquer cargo nessas eleições. Para mim é impensável permanecer aliançado com traidores. Continuarei investindo no Tocantins e trabalhando por esse estado que escolhi para viver. Saio desse processo com a certeza de que construí aliados, amigos e acima de tudo um projeto que já entrou pra história”, acrescentou.

Luxemburgo vinha trabalhando desde o começo do ano para viabilizar sua candidatura ao Senado pelo Tocantis. Ele se filiou ao PSB em março deste ano e estava viajando pelo estado para formar alianças.

Apesar de ser conhecido nacionalmente, sua posição na última pesquisa do Instituto Real Time Big Data, ocupando a quarta posição com 11%. Professora Dorinha (União Brasil) tem 20%, seguida por Kátia Abreu (PP) e o ex-governador Mauro Carlesse (Agir 36), ambos com 13%.

Confira na íntegra o texto escrito por Luxemburgo:

“CARTA ABERTA AO POVO TOCANTINENSE

Caros amigos e amigas,

A maioria de vocês me conhece pela minha atuação como técnico de futebol, mas me permitam hoje contar um pouco da minha relação com esse estado que eu tanto amo.

Há 18 anos, vim ao Tocantins pela primeira vez. O encanto pelo seu povo e pela sua cultura foi imediato. Decidi investir e morar aqui com minha família, e de alguma forma contribuir com meu conhecimento a esta terra tão rica e cheia de oportunidades. Com a decisão de morar em Palmas, construí uma relação com a cidade e decidi contribuir de uma nova forma – através da política.

Uma das minhas grandes vontades é colaborar para tornar o Tocantins um ambiente propício ao empreendedorismo, e um estado que valorize a sua juventude, fortalecendo os jovens através do esporte e educação.

Recebi o convite para me filiar ao PSB e com a autorreforma do partido enxerguei um grupo que se preocupa com as mesmas questões que eu, e que foi capaz de olhar pra si e fazer as mudanças necessárias. Quando ingressei no partido, ouvi que eu podia “ser candidato ao que quisesse”, mas encontramos de forma coletiva o Senado como a alternativa, e como eu poderia contribuir com o partido e com o nosso estado.

Vale reforçar que a candidatura ao Senado teve o aval da presidência estadual, através de Carlos Amastha, e da nacional do partido, através de Carlos Siqueira, e com isso, passei a caminhar pelo Tocantins. Construí alianças e desenhei um projeto pautado pela renovação e inovação, e fui muito bem recebido por onde passei.

Nesses seis meses de caminhada, em nenhum momento eu fui convidado pelo PSB Tocantins para discutir qualquer mudança nas chapas majoritária ou proporcional. Eu confesso a vocês que não sei em que momento a minha candidatura ao Senado começou a ser descartada.

Estive em Brasília diversas vezes, com os presidentes nacional e estadual e tudo parecia certo para esse projeto que se tornou uma alternativa para a renovação da política tocantinense.

Quando a mudança começou a ser cogitada, não houve diálogo, houve pressão. Durante as últimas semanas fui instigado a declinar da candidatura, mudar para deputado federal e inclusive, abrir mão do fundo eleitoral. Não fui convidado a participar dos diálogos e fui isolado pela presidência. Como complemento à postura ditatorial, vimos a mudança de delegados nas últimas horas e o impedimento do uso da fala para defender a candidatura na convenção, num processo completamente antidemocratico.

Deixo bem claro a todos que não tenho apego ao cargo de senador. Não haveria nenhum problema em ser candidato a outra vaga, como deputado federal, por exemplo, caso houvesse uma construção coletiva para tal. A política se faz em conjunto e as atitudes do presidente do PSB Tocantins mancham a história do Partido Socialista Brasileiro com uma postura ditatorial e rasteira.

Num primeiro momento, ao ser apunhalado pelas costas, ameacei processar o partido. Vocês sabem como é ter um sonho roubado das mãos? Mas, a essa altura, não vou atropelar a candidatura de companheiros com quem firmei compromissos e que já têm trabalho desenvolvido. Eu desejo aos companheiros do PSB o melhor: que mantenham os ideiais de trabalhar pelo povo do Tocantins.

Por fim, informo que não irei concorrer a qualquer cargo nessas eleições. Para mim é impensável permanecer aliançado com traidores. Continuarei investindo no Tocantins e trabalhando por esse estado que escolhi para viver. Saio desse processo com a certeza de que construí aliados, amigos e acima de tudo um projeto que já entrou pra história.”


Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  'Vejo com preocupação', diz Haddad sobre PT retirar apoio a Freixo
Propaganda

POLITÍCA NACIONAL

André Janones diz que Bolsonaro não estará na posse de Moraes

Publicados

em

Por

O candidato a deputado federal André Janones
Divulgação

O candidato a deputado federal André Janones

Na última segunda-feira (15), o candidato a deputado federal André Janones (Avante) acusou o presidente Jair Bolsonaro (PL) de querer associar o Supremo Tribunal Federal ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O parlamentar declarou que o chefe do executivo federal não participará da posse do ministro Alexandre de Moraes na presidência do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para aumentar a narrativa contra o Judiciário.

“Fonte segura: apesar de ter confirmado presença, Bolsonaro não planeja ir à posse de Alexandre de Moraes no TSE amanhã. O objetivo é explorar a presença de Lula na cerimônia, para reforçar nas redes a narrativa de conluio com o STF. Bora (sic) denunciar para ferrar com o plano do safado”, escreveu.

Leia Também:  Vídeo: Em meio à guerra com Molon, Ceciliano ganha apoio de Lula

Porém, nesta terça (16), o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, afirmou que o presidente da República participará da cerimônia, sentando ao lado de Alexandre de Moraes durante a posse. Será a primeira vez que o mandatário e o petista estarão no mesmo espaço desde que confirmaram suas candidaturas.

Lula foi convidado para o evento como ex-presidente e aceitou o convite na tarde de ontem. Já Bolsonaro recebeu Alexandre de Moraes no Palácio do Planalto e foi convidado para estar na cerimônia. Apesar do suspense, sua equipe garantiu que ele estará na Corte.

Os ex-presidentes Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB) também confirmaram presença. Os dois ex-companheiros políticos estarão um ao lado do outro, já que os assentos dos antigos chefes do executivo federal são colocados por ordem de mandato.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) recusou o convite por questões de saúde. Porém, ele afirmou que enviaria uma carta ao ministro Alexandre de Moraes.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA