CUIABÁ

ESTADO DE CHOQUE

Mãe Dorme e Sufoca Bebê de Quatro Meses em Cuiabá

Publicados

CUIABÁ

A mãe foi internada em estado de choque após a morte.

 

Um bebê de 4 meses morreu na manhã de sábado (27), após a mãe acabar dormindo em cima dele, em Cuiabá. O caso foi registrado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), como morte acidental.

A mulher contou que era por volta das 09h, quando adormeceu ao lado do filho logo após ter amamentado ele. Quando acordou, já por volta das 11h percebeu que tinha dormido em cima do bebê.

Desesperada, ela acionou o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), mas quando a equipe chegou a criança já estava sem vida.

Em estado de choque, a mulher precisou ser encaminhada ao hospital. O atual estado de saúde dela não foi divulgado.

Sem sinais de maus-tratos ou violência, o caso foi registrado como morte acidental.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Polícia Civil reúne informações para esclarecer triplo homicídio de jovens em Diamantino
Propaganda

CIDADES

Ministério Público Federal, vê contratos cruzados e irmão como “testa de ferro” de deputado de MT.

Publicados

em

Por

O Ministério Público Federal (MPF) pede na Justiça o pagamento de R$ 34,5 milhões do deputado estadual Valmir Moretto (Republicanos), e outros 15 suspeitos (entre pessoas físicas e jurídicas), por um suposto esquema de licitações ocorrida nas prefeituras de Nova Lacerda e Salto do Céu – distantes, respectivamente, a 541 e 348 KM de Cuiabá.

Valmir Moretto é alvo da operação “Trapaça”, que apura irregularidades nas licitações no período em que era prefeito de Nova Lacerda, a partir de 2013. O ex-prefeito de Salto do Céu, Wemerson Prata, também foi acionado pelo MPF para a devolução dos R$ 34,5 milhões.

Além dos ex-gestores públicos, também são réus Fagner Michaell de Almeida Silva Rok, Flavio da Silva Aragão, Glenio Moretto, Jadilson Alves de Souza, Jose Carlos Monteiro Junior, Judson Sander Prata, Maria Ines Pereira da Silva, Rony Ferreira dos Anjos e Wendel Alves Prata. Completam o rol de suspeitos as empresas Mirassol Construtora Eireli, NS Construtora Eireli, Oeste Construtora Eireli (antiga VL Moretto), Prata Construtora Eireli e WP Construtora Eireli.

Entre as irregularidades, o MPF identificou a ocorrência de “contratos cruzados” entre as prefeituras de Nova Lacerda, representada por empresas ligadas ao deputado estadual, e Salto do Céu, de organizações que tinham vínculo com o ex-prefeito Wemerson Prata.

“Verificou-se a existência de ‘contratos cruzados’ em que a empresa ligada a um Prefeito firmou contrato com o Município do outro Prefeito, como forma de ocultar tais vínculos. Se esta fosse uma única evidência isolada, poder-se-ia cogitar de mera coincidência, entretanto, como sobejamente demonstrado, esta é uma de várias provas do conluio entre os agentes, cujo contexto permite demonstrar a frustração do caráter competitivo das licitações”, diz o MPF.

Ainda de acordo com o MPF, Valmir Moretto se retirou do quadro societário de sua empresa (VL Moretto, que faria parte do esquema), em dezembro de 2018 por conta de seu mandato parlamentar. Entretanto, conforme o órgão ministerial, o irmão do deputado estadual, Glenio Moretto, “assumiu” o comando da organização, mas apenas de fachada, sendo apontado nas investigações como um “testa de ferro” do político.

“Glenio Moretto, ao menos em parte, serve como testa de ferro de Valmir Moretto para movimentar valores com origem ilícita”, revelou o MPF.

As investigações apontam, ainda, que somente entre dezembro de 2018 e março de 2019, Valmir Moretto recebeu do irmão R$ 1,1 milhão. O valor total do pedido de devolução (R$ 34,5 milhões) engloba multas, prejuízos aos cofres públicos, e também uma indenização por danos morais coletivos.

O ESQUEMA

De acordo com o Ministério Público Federal, o esquema consistia, na quase totalidade das vezes, na participação das empresas no certame, dando aparência de concorrência, quando, na verdade, o resultado já estava pré-determinado e o real executante do contrato não seria necessariamente a empresa.

Assim, no caso das empresas VL Moretto e WP Construtora, que apresentavam em seu quadro societário os próprios prefeitos, a participação era cruzada, ou seja, a VL Moretto não “concorria” em Nova Lacerda, e a WP Construtora não “concorria” em Salto do Céu.

Outra modalidade do esquema, segundo o MPF, era o direcionamento pela Comissão Permanente de Licitação de Salto do Céu, presidida por Maria Inês desde 2013, em favor das empresas do esquema. Esse direcionamento era promovido, segundo o MPF, por irregularidades na utilização da modalidade convite, inclusão nos editais de cláusulas restritivas à competição, cumulada com tratamento diferenciado das empresas envolvidas, e, por fim, também com montagem de processos e falsificação de documentos.

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Polícia Civil reúne informações para esclarecer triplo homicídio de jovens em Diamantino
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA