CUIABÁ

Brasil

Nova tecnologia de criptomoedas acende alerta da PF por risco de facilitar evasão de divisas e lavagem

Publicados

ARTIGOS

A PF apertou o botão do pânico para uma nova tecnologia que, em seu entendimento, vai facilitar a evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

O relatório final da Operação Kryptos, aquela que prendeu Glaidson dos Santos, o “faraó dos bitcoins”, registra que um dos investigados carregava no bolso uma espécie de pen drive cheio de criptomoedas.

O portador pode viajar o mundo e, nopaísde destino, plugar o dispositivo em um caixa eletrônico convertendo oscriptoativosem dinheiro vivo.

No relatório, a PF traduz: “o portador de uma cold wallet é a sua própria instituição financeira ambulante, com um mero dispositivo eletrônico de armazenamento de dados que pode conter uma quantidade irrestrita de criptoativos”.

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Gasolina sobe 6,3% hoje e pode subir mais 14% nas próximas semanas; entenda
Propaganda

ARTIGOS

Seminário com parceiros de controle marca encerramento do curso de formação de novos auditores

Publicados

em

Por

 

Seminário com instituições parceiras de controle da gestão pública marcou o encerramento do curso de formação dos 15 novos auditores da Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) neste mês de janeiro. Realizado de forma virtual, o seminário contou com a participação de representantes da Controladoria Geral da União (CGU), do Ministério Público Estadual (MPE) e da Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor).

Os convidados apresentaram aos novos auditores as competências, as estruturas organizacionais, as formas de atuação e os principais resultados de cada órgão parceiro para familiarizar os novos auditores com a dinâmica de trabalho das instituições e favorecer a atuação conjunta. “Entendemos que momentos como este só reforçam nossa parceria de caminharmos juntos pela melhoria da gestão pública”, frisou o secretário-controlador geral do Estado, Emerson Hideki Hayashida.

Um dos destaques da explanação do secretário-adjunto da CGU em Mato Grosso, Alex Campos Junior, foi a mudança de foco estratégico de atuação do órgão central de controle interno do Governo Federal. Segundo ele, a partir do ano de 2016, o trabalho, antes direcionado ao combate à corrupção, passou a ser focado também no apoio à governança e à gestão pela defesa do patrimônio público e do incremento da transparência.

“Mudamos o foco estratégico de atuação, no qual só atirávamos a pedra para passarmos a atirar a pedra, ajudar a consertar a vidraça e identificar o motivo pelo qual a pedra foi jogada. Hoje conseguimos ter uma atuação mais próxima aos órgãos gestores, o que tem trazido benefícios financeiros e não financeiros ao Governo Federal”, comentou.

Nesse contexto, ele destacou que os benefícios financeiros da atuação da CGU somaram R$ 76 bilhões de 2012 até 08/11/2021, entre ações de prevenção, detecção e punição direcionadas aos órgãos e às entidades federais e a agentes privados contratados pela União.

Leia Também:  MT recebe mais 142 mil doses da vacina Astrazeneca

Já ao explanar sobre o Ministério Público Estadual, o promotor de Justiça Gustavo Dantas ressaltou a importância da parceria com a CGE para o alcance de resultados concretos em benefício da sociedade.

Pontuou que auditorias realizadas pela Controladoria podem dar início a grandes operações policiais, fundamentar ações públicas por ato de improbidade administrativa e embasar negociações com os envolvidos em malversação do dinheiro público para ressarcimento ao erário.

“Nas investigações, tanto extrajudiciais como judiciais do Ministério Público, é comum haver uma interseção com a CGE, porque muitas vezes o ilícito também é objeto de auditoria. Muitas vezes, fazemos uma ação consertada, com troca de informações, solução conjunta de reparação de dano, para evitar que sejam atuações simultâneas redundantes”, ressaltou o promotor.

Tempo é Dinheiro

Na sequência do seminário, ao falar sobre o contexto de criação da Deccor no final do ano 2019, o delegado titular da unidade, José Ricardo Garcia Bruno, destacou algumas atuações de sucesso oriundas da parceria entre a Polícia Civil e a CGE. “São raríssimos os cases de sucesso na Deccor que não envolvam uma auditoria da CGE”, enfatizou.

Caso emblemático foi a “Operação Tempo é Dinheiro”, que se voltou à investigação de fraudes nos atendimentos nas unidades do Ganha Tempo. Segundo o delegado, a investigação policial começou a partir de auditorias realizadas pela CGE e só alcançou os resultados satisfatórios por causa da qualidade dos trabalhos dos auditores.

“Quem trouxe a existência das fraudes foi a CGE por meio de suas auditorias. Somente uma auditoria, muito bem feita e robusta como a que foi feita, poderia trazer para a investigação criminal uma miríade de condutas impossíveis de serem analisadas caso a caso, em algo praticado por centenas de pessoas ao mesmo tempo em inúmeros municípios do Estado”, argumentou o delegado.

Leia Também:  Seminário com parceiros de controle marca encerramento do curso de formação de novos auditores

As auditorias foram tão certeiras que, ao longo da investigação criminal, na qual foram ouvidas mais de 480 pessoas, das quais 176 atendentes do Ganha Tempo, a Deccor confirmou as situações irregulares levantadas pela CGE.

“Ao ouvir os 176 atendentes, percebemos que as condutas já tinham sido mapeadas pela CGE nas auditorias, por meio de análises e interpretações muito bem feitas dos dados que estavam disponíveis. A investigação criminal acabou corroborando todos os dados que a CGE trouxe.”

Alguns impactos da operação: recuperação de R$ 13 milhões, bloqueio de mais de R$ 12,6 milhões pela Justiça e ação penal na qual figuram como réus 19 pessoas. “A investigação, que foi robusta por causa das auditorias, permitiu a responsabilização patrimonial bastante eficaz neste caso. Se, por um lado, a investigação criminal pode ser os braços da persecução penal, os olhos, com certeza, vêm da auditoria”, acentuou o titular da Deccor.

Público

Além dos novos auditores, o seminário também foi voltado aos demais servidores da CGE e das Unidades Setoriais de Controle Interno (Unisecis). “Cada vez mais precisamos estar integrados e alinhados no propósito de aprimorar os controles internos e prestar um melhor serviço à população”, encerrou o titular da CGE-MT.

O curso de formação dos novos auditores somou 140 horas divididas em quatro (04) módulos conduzidos por técnicos da própria CGE, da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), Fazenda (Sefaz), Mato Grosso Previdência (MT Prev) e Mato Grosso Saúde (MT Saúde), além da CGU, do MPE e da Deccor.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA